Seguidores

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Pitada poética de Fernando Pessoa

Biografia

Fernando Antônio Nogueira Pessoanasceu no dia 13 de junho na cidade de Lisboa – Portugal em 1888. Aos cinco anos de idade ficou órfão de pai e sua mãe acabou se mudando com seu novo esposo para a África do Sul, levando Fernando consigo. Foi lá em Durban que Pessoa aprendeu a falar inglês fluentemente até voltar definitivamente a Lisboa em 1905. Em 1915 acaba por produzir textos para o lançamento da revista Orpheu, suas produções literárias são taxadas como intensas e a sociedade conservadora da época não viram com bons olhos. Por causa disso, Fernando começou a adotar heterônimos e apenas publicou, em vida, quatro de suas várias obras. Vítima de cirrose hepática, o autor morre aos 47 anos no dia 30 de novembro. Um dia antes de sua morte ele escreveu suas últimas palavras no hospital: Não sei o que o amanhã trará.
Biografia de Fernando Pessoa
Foto: Reprodução

Seus principais heterônimos

Alberto Caeiro

Nasceu em Lisboa no dia 16 de abril de 1889. Foi o mais objetivo de seus heterônimos, buscando eliminar todos os vestígios de subjetividade em seus textos. O poeta se volta pela busca das sensações naturais dos elementos e se opõe radicalmente ao intelectualismo.

Alvaro de Campos

Nasceu em Porto no dia 19 de setembro de 1887. É dito como o heterônimo com o lado mais moderno de Fernando, caracterizado pela vontade de conquista, pelo amor à civilização e ao progresso. O seu tom de linguagem era irreverente e o estilo se ligava ao Futurismo.

Ricardo Reis

Nasce no mesmo dia do heterônimo anterior. Representa a vertente clássica ou neoclássica da criação de Pessoa. A linguagem é contida e bem disciplinada, com versos, geralmente, curtos que tendem à vernaculidade e ao formalismo.

Poema publicado como Ricardo Reis

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem; outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.
Porque tão longe ir pôr o que está perto –
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este é o momento, isto
É quem somos, e é tudo.
Perene flui a interminável hora,
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.

Juíza usa sua própria história para desmascarar as falácias da tão propalada meritocracia.


Símbolo da resistência

Ana Júlia discursou na quarta-feira (26) na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná para defender a legitimidade das ocupações de escolas como forma de luta pela qualidade da educação pública.
Segundo a ombudsman da Folha, uma espécie de ouvidora que atua sob a perspectiva dos leitores do jornal, a cobertura da imprensa é tímida para a dimensão da luta dos estudantes contra a reforma do ensino médio (MP 746) e contra a PEC 55 (antiga PEC 241) que congela investimentos na educação por 20 anos.

Do Canal O Mundo segundo Ana Roxo


Explicações simples para assuntos complexos 

Beautiful!! Muy Bueno! Very nice! Very cool ! Bravo. :)