Seguidores

sábado, 19 de setembro de 2015

Gilmar Mendes e Merval Pereira é um pesadelo para a sociedade.




Gilmar acredita num tipo de democracia onde só ele tem 

razão, só ele tem voz. Ele é uma das maiores vergonhas da 

história do judiciário brasileiro, portando-se exatamente 

como um juiz jamais deveria se portar.


Gilmar Mendes e Merval Pereira aparecem numa alegre confraternização que é um pesadelo para a sociedade.

Era o lançamento de um livro de Merval. Não um livro original, mas uma compilação de artigos seus sobre o Mensalão. Numa sociedade avançada, e o Brasil aspira a ser uma delas, a imprensa e a Justiça se auto-fiscalizam. Uma deve coibir excessos da outra.

Quando esses dois poderes se abraçam, como ilustra à perfeição a foto de Gilmar e Merval, perdemos todos nós.

“Jornalista não tem amigo”. Esta é uma frase clássica de um dos maiores editores da história do jornalismo.

Em meus dias de editor, tinha esta frase pregada no mural de minha sala. Repetia-a com freqüência aos repórteres, passíveis de se deslumbrar com as potenciais amizades que o jornalismo lhes traz. A lógica de Pulitzer, expressa há mais de um século, é eterna.

Um jornalista não cobre devidamente um amigo. Fecha os olhos para certas coisas e enaltece qualquer bobagem.

Merval é o anti-Pulitzer. O mesmo ensinamento pulitzeriano se aplica integralmente à Justiça. Um juiz não pode ter amigos. Claro que não estou falando dos amigos do bairro, do clube, da padaria ou até do lupanar. Falo dos amigos do âmbito profissional.

Como Gilmar, para ficar neste caso, poderia julgar uma causa na qual Merval estivesse porventura envolvido? É por isso que é simplesmente abjetos juízes aceitarem premiações de empresas jornalísticas. Isso cria um laço, uma cumplicidade danosa à sociedade. Aos cidadãos. A nós, enfim.

A Globo premiou, nos últimos anos, Joaquim Barbosa e Sérgio Moro. O decoro deveria tê-los impedido de aceitar. Mas, ao contrário, o que vimos foi a felicidade rutilante de ambos ao lado dos Marinhos. Por que eles estavam sendo premiados? Porque, cada qual a seu jeito, os dois lideraram movimentos visceralmente anti-petistas, o Mensalão e a Lava Jato. Não foi pelo talento, pela inovação, pela transformação que Barbosa ou Moro trouxeram ao enferrujado, patético sistema jurídico nacional.

Gilmar é o símbolo supremo desse sistema. Ele não pratica justiça, e sim política. Vale-se para isso do posto privilegiado que FHC lhe garantiu no STF. Seria digno ele sair desse pedestal que lhe foi dado em troca de defender as causas de FHC e se submetesse às urnas. Mas é querer demais de quem posa, alegremente, ao lado de jornalistas.

Luciana Genro defendeu, em 2008, o impeachment de Gilmar, mas ficou numa luta solitária e vã. O assunto deveria ser retomado agora.

Não é possível que a sociedade seja obrigada a tolerar, por anos intermináveis, um juiz que faz política.

Por Paulo Nogueira


Eleonora Menicucci fala sobre os abusos contra os estudantes contrários a reforma do governo Temer



 "A luta dos estudantes mostra que a resistência democrática continua cada vez mais ativa. Mesmo após as eleições municipais, que representaram uma derrota de toda a esquerda, o governo de Michel Temer  está longe de ter o domínio da situação política,"diz Eleonora. "A luta continua,sempre."






Símbolo da resistência

Ana Júlia discursou na quarta-feira (26) na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná para defender a legitimidade das ocupações de escolas como forma de luta pela qualidade da educação pública.
Segundo a ombudsman da Folha, uma espécie de ouvidora que atua sob a perspectiva dos leitores do jornal, a cobertura da imprensa é tímida para a dimensão da luta dos estudantes contra a reforma do ensino médio (MP 746) e contra a PEC 55 (antiga PEC 241) que congela investimentos na educação por 20 anos.

Do Canal O Mundo segundo Ana Roxo


Explicações simples para assuntos complexos 

Juíza usa sua própria história para desmascarar as falácias da tão propalada meritocracia.


"Petistas"




Como se fosse necessário ser "Petista" pra ser contra o golpe!


A indignação de duas senhoras contra Temer, fragadas pelo autor do vídeo que foram tachadas de "petistas". 

_________________________________________________________________________


No debate que ocorreu em londres 

Otavio Frias, da Folha de São Paulo chama a jornalista inglesa Sue Branford de "Petista".

_________________________________________________________________________________

Em Washington, Aloisio Nunes chama de "petistas" as manifestantes contra o golpe.


"Não é pelo partido é pela democracia!" Respondeu uma das mulheres.
  


_________________________________________________________________________________


Manifestante dá cusparada em jovem e xinga grupo por "aparentarem ser petistas". 


Click na imagem para ver a reportagem completa do site Pragmatismo Politico

"Nunca me senti tão humilhado!"

_________________________________________________________________________


Ou você é coxinha ou é petralha!


"Não consigo conversar com amigos que odeiam o PT", desabafa Moura em vídeo.

Beautiful!! Muy Bueno! Very nice! Very cool ! Bravo. :)